Informe del trabajo desde Enero hasta Marzo 2016 en la clase de ciudadanía

Hola soy Juan Manuel Espinosa de 2ºB. A continuación os hago un informe sobre lo que hemos trabajado desde Enero hasta Marzo de 2016.

Hemos trabajado mucho el tema de la igualdad de genero: que es un principio constitucional que estipula que los hombres y mujeres son iguales ante la ley, es decir , que todos tenemos los mismos derechos y deberes. Pero hemos llegado a la conclusión de que este principio en la vida practica diaria no se reconoce como se ve claramente en el Derecho al trabajo en igualdad de condiciones entre hombres y mujeres, ya que muchas veces las mujeres cobran mucho menos que los hombres en los mismos puestos de trabajos. Por ello los ciudadanos debemos esforzarnos para hacer valer estos derecho en el día a día.

También hemos tratado el tema del acoso escolar, que es un problema muy serio que esta ocurriendo en todo el mundo . Entre todos debemos combatirlo en el momento en que detectemos que algo pasa con algún compañero. En España hay un protocolo que hay que seguir en los centros escolares ante una denuncia de acoso. Pero esta claro que no funciona muy bien por que la cifra de acoso en nuestro país es cada vez mayor. Por ello  todos debemos cooperar para que estos casos de acoso no sucedan: denunciando ante los profesores, contándolo a los padres para que sean ellos los que tomen las medidas oportunas

    O patinho quá, quá, quá

     Gostámos muito de participar, e aprendemos muito, independentemente de sermos meninas ou meninos, por isso queremos mostrar mais uma canção.

    Ficámos muito felizes por participar nas atividades do Conetando Mundos.

    Já estamos com saudades de vocês.

    Esperando pela atividade do próximo ano, deixamos beijinhos e abraços.

     

    ACONTECEU

     

        Depois da azáfama dos últimos dias, eis-nos de volta para o follow-up das atividades que a turma B, do 8º ano, da Escola Básica Rio Novo do Príncipe, desenvolveu, no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, subordinadas à temática da igualdade de género, a saber:

    • Exposição de materiais com destaque para o papel e ações de algumas mulheres nas diferentes esferas da sociedade portuguesa, designadamente nas áreas da política, economia e do empreendedorismo, divulgando-se casos de empoderamento em diferentes setores; cartazes de divulgação do evento; mensagens, cartoons, curiosidades, etc.;
    • Realização e projeção de um filme a partir de uma narrativa construída pelos alunos com base em duas personagens centrais, Ela e Ele;
    • Apresentação de um trabalho estatístico sobre a mulher, o homem e o poder nas diferentes freguesias do concelho de Aveiro (aplicação da lei da paridade);
    • Desfile com mensagens no âmbito do tema em discussão;
    • Entrevistas sobre a existência de eventuais casos de (des)igualdade de género na escola e na freguesia e divulgação do respetivo plano de ação/intervenção;
    • Leitura de um texto, com clarificação dos conceitos de sexo e género, no âmbito da formação entre pares, desde o 5º ao 9º ano, da responsabilidade dos alunos Maria Miguel e José Gabriel;
    • Distribuição de mensagens (flores e camisas) às raparigas/mulheres e aos rapazes/homens da Escola, reinvocando direitos e oportunidades iguais;
    • Degustação de bolachas para a alma de todos os sexos.

                   Como qualquer celebração, também esta constituiu um momento marcante, quer para os alunos dinamizadores, quer para os participantes, porém, mais do que a fulgência da lembrança, importava primordialmente a reflexão conjunta sobre um problema que, ao longo dos séculos, tem sido vivido de formas distintas e divergentes pelas mulheres e pelos homens: o da (des)igualdade de direitos e de oportunidades. Encontramo-nos no século XXI e, apesar de muitos avanços, a igualdade de género está longe de ser alcançada em todo o mundo, não obstante as pretensões dos diferentes organismos internacionais, dos dirigentes dos países que subscreveram a Agenda 2030, e das vinte e cinco mulheres assassinadas, em 2015, em Portugal, pelos seus ex ou atuais companheiros. Por isso, a sinalização deste dia ganha significado no caminho para a liberdade e dignidade de todos, mantendo acesa a luz da confiabilidade numa sociedade mais igualitária.

    Caminhando para a igualdade

    Gostámos muito de conhecer a Abigail!

    Com a Abigail aprendemos que:

    • quando estamos tristes ou zangados podemos fazer o ‘Tear dos Afetos’, ler…, mas não bater nem gritar com @s nosso@s colegas;
    • não há brinquedos só para meninos ou só para meninas;
    • não há cores só para meninas ou só para meninos;
    • não há profissões só para mulheres ou só para homens;
    • as tarefas de casa devem ser feitas por tod@s;
    • devemos ser tod@s amig@s!

    Gostámos muito de inventar uma letra nova para o jogo ‘A tod@s fica bem’!

     

    Sabemos que ainda temos muito para aprender porque os ‘Caminhos para a igualdade’ são longos e difíceis: é muito difícil mudar!

    Podem acompanhar as nossas aprendizagens, o nosso caminho, no nosso blogue:

    Sala nº11

    pt/search/label/ConectandoMundos

      CAMINOS DE IGUALDAD

      En estas nueve sesiones que hemos trabajado con la plataforma de conectando mundos por una lucha por la igualdad.

      Los personajes estuvieron  presentándose y así, conocimos sus gustos y aficiones. Realizamos un abanico en el que pusimos las cualidades de cuatro compañeros de la clase.

      Estuvimos viendo vídeos sobre los estereotipos de género. Hablamos sobre ellos y dijimos que chicos y chicas son iguales y que pueden hacer lo que quieran sin el miedo a ser discriminados.

      Vimos vídeos sobre el micro machismo, que se sufre principalmente en las casas. Tenemos que combatirlo. También leímos dos casos; uno de control y otro de acoso.  Vimos vídeos sobre Emma Watson, Marta Vieira y Karla Wheelock que utilizamos para realizar el power para el 8 de Marzo.

      Estuvimos haciendo un cuestionario sobre el machismo que hay en nuestra clase.

      Con todo esto realizamos la presentación para el 8 de marzo haciendo una síntesis del trabajo realizado.

        Declaração de compromisso – 8º 1ª Escola Pedro Santarém Lisboa Portugal

        « A Igualdade de Género assenta no pressuposto que todos os seres humanos são livres para fazerem escolhas e desenvolver as suas capacidades pessoais, sem as limitações estabelecidas pelos papéis de género socialmente estereotipados. A Igualdade entre Mulheres e Homens é um princípio constitucional consagrado no Artigo 13º Constituição República Portuguesa »: « Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual. »

        1- Assegurar a prática de medidas não discriminatórias em matéria de igualdade de género com base na aplicação do Artigo 13º Constituição República Portuguesa e do regulamento interno da escola;

        2-Respeitar/considerar e valorizar as condutas (comportamentos, objetivos e necessidades) femininas e masculinas dentro e fora da escola.

        3- Promover as relações de cooperação e ajuda entre os rapazes e as raparigas de forma a serem respeitadoras, saudáveis, amigáveis e cordiais dentro e fora da escola.

        4- Garantir a prática de uma linguagem inclusiva dentro e fora da escola para fazer a referência de igual modo a raparigas e a rapazes.

        5- Incorporar os conhecimentos e a experiência das mulheres nos conteúdos curriculares nas disciplinas de diferentes níveis do ensino e, em particular, nas temáticas da Educação Cívica e Cidadania.

        6- Criar e promover espaços de debates e reflexões com propostas geradoras de mudança na área da Igualdade de género, dentro e fora da escola;

        7- Utilizar os diferentes meios de comunicação na escola para dar visibilidade às questões relacionadas com a igualdade de oportunidades entre mulheres e homens.

         

         

        8- Desenvolver ações de informação, sensibilização e formação na escola, no âmbito da violência domestica, violência no namoro , trafico dos seres em articulação  com organizações da sociedade civil, empresas e com os municípios.

        9 – Produzir e fixar folhetos e cartazes no átrio da escola com frases  apelativas para denunciar a de violação da igualdade  de género.

        10- Colocar ao dispor dos alunos os meios necessários para a deteção e apresentação das denuncias de violação da igualdade  de género à direção da escola.

        11- Assegurar a análise cuidadosa das denuncias, promovendo as  medidas de correcção e melhoria em tempo útil pela direção da escola.

        12- Dirigir uma carta a comunidade educativa, aos poderes locais, aos nossos familiares e amigos manifestando a nossa solidariedade com as pessoas vítimas de violência do género. Pedimos as pessoas para serem cidadãos atentos, empenhados a detectar  e denunciar  qualquer violência da igualdade do género.

        13 – Ajudar na promoção e divulgação de algumas iniciativas da GRAAL –  Movimento internacional das Mulheres junto da comunidade educativa.

        14- Mobilizar e sensibilizar os alunos de diferentes níveis de ensino da nossa escola para participarem no próximo ano letivo no projeto Conectando o Mundos edição 2016-2017 . Prepararmos em conjunto o dia 8 de Março com várias iniciativas e culminando com a realização da conferência proferida pelo(s) elementos da  organização da sociedade civil(ONGs)  afectos a esta temática.

        Lisboa, 10  de Março de 2016

        Turma: 8º 1ª

        Eduardo Mourinho

        Catarina Trancoso

        Beatriz Beleniuc